Em entrevista ao videocast Último Lance, o Gerente Executivo de Futebol do clube, Ari Barros, conversou com os jornalistas sobre diversos temas, entre eles as aguardadas contratações e apresentação do elenco, marcada para o dia 14. Após isso, o clube fará duas paradas no natal e réveillon, retornando em janeiro para a pré-temporada em Barcarena, programada para durar duas semanas, até a estreia no Parazão.

 

Apesar da expectativa, o dirigente não citou nomes, mas deixou claro que o Papão não dorme no ponto e tem uma série de opções engatilhadas, a maioria alternando entre jogadores experientes e outros mais novos. “Tem que existir a mescla. Não tem como. Não é fácil montar um elenco. Você cria um grupo heterogêneo e depois faz com que fique homogêneo. Tem gente que questiona, fala sobre o medalhão. Não tem problema. O medalhão é resolvido financeiramente, mas ele tem que ser um jogador empenhado em entrar na história do clube”, garante.

Confira a entrevista completa:

Até o momento, vários jogadores do atual elenco possuem contrato, como Matheus Nogueira, Alan Bernardon, Gabriel Bernard, Edilson, Eltinho, Wanderson, Jacy Maranhão, Naylhor, Geovane, João Vieira, Ronaldo Mendes, Robinho, Juninho, Gabriel Furtado, Vinicius Leite e Mário Sérgio. Apesar disso, ele não disse quem permanece. Sobre a base, Ari destacou que precisa do CT, com inauguração prevista para o dia 2 de dezembro.

“Sem o CT fica difícil. Não tem como deslocar um local distante para ver o treino da base. Com essa integração com o clube, nós ganhamos. Eu amo a base que vim de lá, sei que é valorizar, dar oportunidade e condição de trabalho. Nós estamos finalizando somente os campos, e em seguida a estrutura. Não adianta só o campo pronto. Antes do treino existe o pré-treino, primordial. Então tem que ter toda a estrutura, estamos passo a passo, num trabalho fantástico da diretoria. Assim que ficar 100% concluído, todo mundo vai ganhar com isso”, destaca.

 

Reforços

Na mesma entrevista, conforme dito pelo executivo, hoje o Paysandu tem uma estratégia bem definida para a contratação de jogadores, que passa por ele e pela comissão técnica quando necessário, mas ainda esbarra no fim da Série B, com vários jogadores na mira bicolor. “Nós temos uma lista de três quatro em cada posição. Quem faz o contato sou eu. Daqui a pouco o atleta deu o ok, outro não deu. Eu vou pra cima, sou agressivo, falo com o empresário se for necessário colocamos o Hélio para conversar, pois é importante ter a fala do técnico. Hoje surgiu um nome, fizemos contato, proposta, daqui a pouco ele dá um ok. Na série B tem muitos jogadores que querem subir”.

Segundo ele, nos próximos dias as primeiras contratações devem ser divulgadas. “Essa semana já tem alguns clubes que não tem mais como subir. Na semana que vem vamos entrar de vez, aí é poder de convencimento, proposta. Já tem jogadores assinados. Tem um. Estamos conversando com uma quantidade legal, temos várias propostas e aguardamos o ok para carimbar”. Ari destacou ainda que o Paysandu deve aproveitar de 13 a 15 atletas do elenco de 2023 e que possui um banco de dados com 260 jogadores constantemente mapeados.

 

 

“Todos os jogadores que vamos contratar são de nível. Isso não garante a titularidade. Ele vem num nível, mas vai depender do atleta chegar aqui, entender o modelo de jogo do treinador. Por isso que quando fechamos o Hélio bate um papo com ele, para que entenda o modelo de jogo e se vai poder entregar tudo aquilo que desejamos”, encerra.

Fonte: O Liberal
Foto: Jorge Luís Totti