O MDB é o partido que concentra mais candidaturas de super-ricos, segundo as declarações feitas pelas próprias siglas até segunda (15) ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral). A legenda tem 29 nomes dos 246 que registraram ter mais de R$ 10 milhões em patrimônio.

Entre seus nomes de milionários candidatos estão o senador Luiz Osvaldo Pastore, primeiro suplente na chapa de Flávia Arruda (PL) ao Senado pelo Distrito Federal, e Antídio Lunelli, que se lançou como deputado estadual em Santa Catarina. O valor somado de ambos ultrapassa a faixa de R$ 800 milhões. Ambos estão no top 5 de mais ricos destas eleições.

Grande parte do patrimônio do Luiz Pastore se resume em créditos, aplicações de renda fixa e ações e quotas societárias. Ex-prefeito de Jaraguá do Sul (SC), Antídio Lunelli é dono de uma empresa do ramo têxtil e chefe de duas rádios locais.

Há ainda 263 pessoas com bens acima de R$ 1 milhão, entre o total de 1.359 postulantes a algum cargo nas eleições de 2 de outubro.

O MDB é seguido de perto como “casa” dos milionários pelo PP de Arthur Lira, com 25, pelo PL de Jair Bolsonaro, com 24, e pelo União Brasil de Luciano Bivar, com 22.

No PP, entre os 25 candidatos com patrimônio acima de R$ 10 milhões, está Alison Souto da Trindade, com cerca de R$ 449 milhões, dos quais R$ 39 milhões em criptomoedas, segundo justifica o político.

De acordo com o TJ-PA (Tribunal de Justiça do Pará), o candidato a deputado estadual foi condenado por estelionato e por aplicar golpes que facilitam a liberação de empréstimo para beneficiários do Bolsa Família.

Ex-senador e candidato ao governo de Rondônia pelo segundo mandato, Ivo Cassol aparece logo em seguida, com R$ 134 milhões declarados em terrenos, depósitos bancários, veículos e outros bens.

O PL foi o partido que apresentou o maior número de candidaturas: 1.573 no total, das quais 24 ultrapassam a marca de R$ 10 milhões.

O empresário Jaime Bagattoli, defensor fiel de Bolsonaro, aparece como o mais rico do partido. Os bens do candidato ao Senado por Rondônia são superiores a R$ 55,7 milhões, boa parte deles em imóveis, aplicações e investimentos.

Sócio e diretor de operações da empresa Blukit, Adrian Rogers Censi vem logo atrás com pouco mais de R$ 55 milhões, a maioria em quotas ou quinhões de capital e outros bens. O empresário está cadastrado como segundo suplente da chapa de Jorge Seif (PL-SC), ex-secretário de Agricultura e Pesca.

Na outra ponta do ranking, sete legendas não têm nenhum super-rico. O PCB foi o único partido que, segundo os dados do TSE, não tem candidatos que ultrapassam nem mesmo R$ 1 milhão nos bens declarados.

 

Veja ranking de partidos com candidatos com mais de R$ 10 milhões

  • MDB: 29 – total de candidatos: 1.359
  • PP: 25 – total de candidatos: 1.323
  • PL: 24 – total de candidatos: 1.573
  • União Brasil: 22 – total de candidatos: 1.487
  • PSD: 18 – total de candidatos: 1.157
  • PSDB: 18 – total de candidatos: 936
  • Avante: 11 – total de candidatos: 1.027
  • PDT: 11 – total de candidatos: 1.314
  • PTB: 11 – total de candidatos: 1.288
  • Podemos: 10 – total de candidatos: 1.161
  • Republicanos: 10 – total de candidatos: 1.424
  • Novo: 9 – total de candidatos: 475
  • PSC: 9 – total de candidatos: 1.046
  • Patriota: 7 – total de candidatos: 1.209
  • PSB: 5 – total de candidatos: 1.268
  • Agir: 4 – total de candidatos: 929
  • PROS: 4 – total de candidatos: 959
  • PRTB: 4 – total de candidatos: 902
  • PT: 4 – total de candidatos: 1.105
  • Cidadania: 2 – total de candidatos: 474
  • DC: 2 – total de candidatos: 770
  • PMN: 2 – total de candidatos: 802
  • PV: 2 – total de candidatos: 298
  • Solidariedade: 2 – total de candidatos: 1.083
  • PMB: 1 – total de candidatos: 827
  • PCB: nenhum – total de candidatos: 83
  • PCdoB: nenhum – total de candidatos: 217
  • PCO: nenhum – total de candidatos: 161
  • PSOL: nenhum – total de candidatos: 902
  • PSTU: nenhum – total de candidatos: 159
  • Rede: nenhum – total de candidatos: 464
  • UP: nenhum – total de candidatos: 61

 

Fonte: UOL Eleições 2022
Foto: Reprodução