Mesmo participando da comemoração com torcedores aglomerados após a conquista do acesso à Série B, o surto de Covid-19 no elenco do Remo foi algo inesperado aos jogadores. Foi o que contou Tcharlles, em entrevista coletiva virtual. O atacante não está entre os infectados e deverá estar entre os titulares no jogo de sábado, contra o Vila Nova – caso ele aconteça.

– Foi uma surpresa, infelizmente. Mas a nossa equipe tem que pensar que agora estamos nas vésperas de uma grande decisão. Pensar nisso e, claro, na saúde dos nossos companheiros, mas também pensar nessa decisão de agora – frisou.

Depois de muitas críticas nas redes sociais, Fábio Bentes, presidente do Remo, garantiu que a festa do acesso na Avenida Visconde de Souza Franco, no último dia 10, não foi algo premeditado nem organizado pelo clube.

– Antes da partida contra o Paysandu a gente sabia que, dependendo do resultado do jogo [entre Londrina e Ypiranga-RS] poderia conquistar o acesso naquele dia, mas não havia planejamento, tanto que a gente saiu do Mangueirão e cada um seguiu seu caminho. […] Algumas pessoas assistiram ao jogo juntas e receberam a notícia de que um torcedor tinha colocado um trio elétrico na Doca, ou iria colocar. Foi muita gente para lá, diretor, torcedor, jogador, comissão técnica, se tornou uma grande festa – explicou o mandatário.

O Remo busca, agora, adiar o primeiro jogo da Série C, que está previsto para o próximo sábado. Até o momento são três desfalques por lesão e 11 jogadores ausentes por Covid, além do técnico Paulo Bonamigo e dos auxiliares Edson Gonzaga e Netão (veja a lista completa).

Tcharlles lamentou a falta de Salatiel, artilheiro do time; e de Marlon, líder de assistências na temporada, ambos infectados.

– A gente sabe que são grandes jogadores, que fazem muita diferença, mas o Bonamigo sempre enfatizou que a nossa equipe é forte como grupo. É o momento de provar isso em campo – frisou o atacante.

Independente se o adiamento do jogo deste final de semana será acatado ou não pela CBF, a equipe azulina sabe o que esperar do Vila Nova. Foram dois embates na primeira fase da competição, ambos sem gols. Para Tcharlles, o equilíbrio deve continuar sendo a tônica do duelo.

– A gente conversa muito entre a gente e sabe que é uma das grandes equipes do campeonato, não à toa está na final. Eu, particularmente, achei o Vila uma das melhores equipes da competição e a gente tem que ter muita atenção com eles, mas também procurar fazer o nosso. Também não chegamos à toa nessa final e vamos bater de frente com o adversário para tentar sair com esse título – avaliou o atacante.

Fonte: G1
Foto: Samara Miranda